Ulysses Guimarães, volta em carta psicografada

0
2156

Ulysses Guimarães (1916-1992) foi um político brasileiro, um dos protagonistas da redemocratização do Brasil. foi presidente do MDB, do PMDB e da Assembleia Constituinte de 1988. Ulysses Silveira Guimarães nasceu em Rio Claro, São Paulo, no dia 6 de outubro de 1916.

Filho do coletor federal Ataliba Silveira Guimarães e da professora Amélia Correia Fontes Guimarães. Ingressou no curso de Ciências Jurídicas e Sociais da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, formando-se em 1940.

Durante essa época, foi vice-presidente da União Nacional de Estudantes (UNE). Em 1945 ingressou no Partido Social Democrático (PSD), onde permaneceu até sua extinção em 1965.

Em 1947 foi eleito deputado à Assembleia Constituinte. Em 1950 foi eleito deputado federal por São Paulo e reeleito por oito mandatos consecutivos, permanecendo no cargo até 1995.

Durante o primeiro mandato (1951-1953) integrou a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do jornal Última Hora de Samuel Wainer, fundado para dar cobertura ao governo do presidente Getúlio Vargas, que culminou com o suicídio de Vargas em 24 de agosto de 1954. Em 1961, com a renúncia do presidente Jânio Quadros instalou-se uma grave crise no Brasil.

Neste mesmo ano, Ulysses Guimarães votou a favor da Emenda Constitucional nº 4 que instituiu o parlamentarismo no País.

O novo sistema garantiu a posse do vice João Goulart na presidência, tendo Tancredo Neves como primeiro-ministro. Entre 1961 e 1962, Dr. Ulysses, como era chamado, foi nomeado Ministro da Indústria e Comércio, no gabinete do primeiro ministro Tancredo Neves.

Em 1962 exonerou-se do cargo, junto com todo o gabinete e retornou à Câmara Federal.

Regime militar

No dia 31 de março de 1964 um golpe militar afastou o presidente João Goulart.

De imediato, Ulysses Guimarães apoiou a deposição do presidente, mas logo depois entrou em atrito com o regime militar.

Após a edição do Ato Institucional nº 2 de 21 de outubro de 1965 que extinguiu os partidos políticos, instaurando o bipartidarismo no país, Ulysses filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), tornando-se um dos principais opositores da ditadura militar instalada no país. Em 1971 foi nomeado presidente do MDB.

Em 1973, Ulysses foi lançado anticandidato à presidência da República no Colégio Eleitoral, tornando-se um símbolo de resistência ao regime militar que vigorava no país.

Uma eleição indireta realizada em 15 de janeiro de 1974 deu a vitória ao general Ernesto Geisel.

Em novembro deste mesmo ano, Dr. Ulysses foi reeleito deputado federal pela sétima vez consecutiva.

O MDB elegeu 15 senadores nas 21 vagas e 165 vagas entre os 364 deputados federais.

Em 1977 o MDB se recusou a aprovar a reforma do judiciário enviada pelo presidente Geisel, como retaliação foi decretado o recesso do Congresso e editado o chamado “pacote de abril”, que estabelecia a permanência do pleito indireto para governadores em 1978 e para um senador por estado.

Depois que o MDB conseguiu formar uma rede nacional de rádio e televisão em que fazia duras críticas ao regime militar, o líder do MDB na Câmara, Alencar Furtado teve seu mandato cassado e os direitos políticos suspensos por 10 anos. Ulysses Guimarães foi acusado de desobediência à legislação eleitoral.

Em 1978 foi revogado o AI-5 e aprovada nova lei de Segurança Nacional.

Em agosto desse mesmo ano, o MDB aprovou os nomes do general Euler Bentes e do senador Paulo Brossard para presidente e vice-presidente, respectivamente, mas por via indireta foi eleito o general João Baptista Figueiredo e Aureliano Chaves.

Ulysses foi mais uma vez reeleito para o senado.

Em 1979 foi aprovada a Lei da Anistia que suspendeu as penalidades impostas aos opositores do regime militar.

Neste mesmo ano o governo extinguiu o bipartidarismo. No lugar do MDB e Arena, organizaram-se cinco partidos, entre eles o PMDB, sucessor do MDB, sendo Ulysses eleito seu presidente.

Ulysses Guimarães morreu em um acidente de helicóptero, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro, no dia 12 de outubro de 1992. Seu corpo nunca foi encontrado. No mesmo acidente morreu sua esposa Mora Guimarães, o ex-senador Severo Gomes, sua esposa e o piloto da aeronave.