Quando “boas narrativas” viram mentiras completas.

0
465
Em maio do ano passado, ao receber o ditador venezuelano Nicolás Maduro com honras de chefe de Estado e beijos no coração, Lula lhe proporcionou aconselhamento patriarcal sobre como resolver os problemas de imagem de seu governo.

A Venezuela é uma ditadura escancarada, daquelas que prendem adversários que podem se tornar incômodos, cujos verdugos espancam e matam a população que sai às ruas, que corrompeu suas forças armadas, seu judiciário e cuja elite política opera no mundo do narco-business. Alguns meses antes, ainda falando na condição de candidato, prometendo os melhores frutos do comunismo a seus eleitores e os suplícios de Tântalo a seus adversários, Lula disse que falava assim por estar mais Maduuro, espichando a segunda sílaba para marcar a metáfora. Ou seja, reconhecendo, ele mesmo, a deplorável imagem de seu camarada, irmãozinho de fé.

No entanto, quando se abraçaram em Brasília, Lula disse a ele:“Se eu quiser vencer uma batalha, eu preciso construir uma narrativa para destruir meu potencial inimigo. Você sabe a narrativa que se construiu contra a Venezuela, de antidemocrática e de autoritarismo”. E, pouco depois: “Eu vou em lugares que as pessoas nem sabem onde fica a Venezuela, mas sabe que a Venezuela tem problema na democracia. É preciso que você construa a sua narrativa e eu acho que, por tudo que conversamos, a sua narrativa vai ser infinitamente melhor do que a que eles têm contado contra você”.Transcrever falas de Lula é um desafio a quem foi alfabetizado antes dos anos Paulo Freire, mas era necessário fazê-lo para dar relevo ao modo como Lula vê a força política das narrativas, vale dizer, o modo como os fatos são levados ao conhecimento da população.Precisamente aí está o “xis” do enorme problema em que se tornou a comunicação social no Brasil. Ao longo dos últimos anos, a cada manifestação minha, em artigo, vídeo ou entrevista, reclamando do lamentável papel desempenhado pelo jornalismo brasileiro, alguns leitores cuja desinformação e ingenuidade andavam de mãos dadas, saíam em defesa desses manipuladores. Agora penso que, finalmente, lhes caiu a ficha, pois silenciaram de vez.

Se hoje, a oligarquia dominante faz o que bem entende, se ministros do STF assumem postura política, linguagem política e influenciam a política a curto, médio e longo prazos, isso só pode acontecer porque se enquadra no que Lula poderia chamar de “narrativa vencedora”, que outra coisa não é senão uma mentira bem contada e suficientemente repetida. E ela só pode ser exitosamente repetida porque conta com as bênçãos da agência oficial em que se transformou o outrora vigoroso jornalismo brasileiro.

Para que este cumprisse seu iníquo papel, foi necessário expurgar das redações os grandes profissionais avessos às teses e práticas da pirataria desinformativa das redações. Hoje, fazem sucesso nas redes sociais e nos seus próprios canais e, por isso, se tornam, agora, alvos preferidos da oligarquia que não admite conviver com a divergência e com a liberdade plural das opiniões. Apontá-los como fonte dos males faz parte da narrativa fraudulenta que hoje quer virar história no país. A eles minha reverência e gratidão.