Alto funcionário russo: Putin tem luz verde para cortar cabos submarinos de comunicação e deixar Europa e EUA sem internet

0
834

Após relatos que atribuem a destruição em setembro dos gasodutos russos Nord Stream ao governo ucraniano ou americano, o vice-presidente do Conselho de Segurança russo declarou que o presidente Vladimir Putin deveria se sentir livre para cortar cabos de comunicação submarinos dos “inimigos” do país.

“Se partirmos da cumplicidade comprovada dos países ocidentais em explodir o Nord Streams, então não temos restrições – nem mesmo morais – para nos impedir de destruir as comunicações por cabo do fundo do oceano de nossos inimigos“, disse Dmitry Medvedev no Telegram. Medvedev foi presidente da Rússia de 2008 a 2012 e é um aliado próximo de Putin.

No mês passado, o chefe da inteligência da Otan, David Cattler, alertou para um risco crescente de tal movimento. “Há preocupações crescentes de que a Rússia possa ter como alvo cabos submarinos e outras infraestruturas críticas em um esforço para interromper a vida ocidental, para ganhar influência contra as nações que estão fornecendo segurança à Ucrânia”, disse ele a repórteres. Naturalmente, a lista de potenciais motivações do oficial de informações da OTAN omitiu retaliações em espécie após o corte dos gasodutos Nord Stream.

“Os russos estão mais ativos do que os vimos em anos neste domínio”, disse Cattler a repórteres, observando um ritmo mais alto de patrulhas russas em todo o Atlântico e nos mares Báltico e do Norte. “A Rússia está mapeando ativamente a infraestrutura crítica aliada, tanto em terra quanto no fundo do mar.”

Os oceanos são um ambiente rico em alvos. Mais de 400 cabos submarinos transportam mais de 95% do tráfego internacional de internet”. Ao todo, eles carregam cerca de 10 trilhões de dólares em transações financeiras todos os dias, então esses cabos realmente são um pilar econômico”, disse Cattler.

O cabo “Marea”, construído pelo Facebook, Microsoft e Telxius, se estende por 4.000 milhas de Bilbao, na Espanha, até Virginia Beach (RUN Studios/Microsoft via The Irish News).)

Contradizendo as narrativas de propaganda ocidental de que a Rússia destruiu sua própria fonte de influência econômica sobre a Europa, nos últimos meses houve relatos de que os governos dos EUA ou da Ucrânia explodiram os oleodutos.

  • Em fevereiro, citando “uma fonte com conhecimento direto do planejamento operacional”, o lendário jornalista Seymour Hersh publicou um relatório bombástico de que mergulhadores da Marinha dos EUA executaram a operação sob a cobertura de um exercício da Otan.
  • No mês passado, um consórcio de jornalistas investigativos europeus informou que a trilha investigativa levou à Ucrânia e se concentrou em um iate de 15 metros que foi contratado de uma empresa polonesa e atracou em uma pequena ilha dinamarquesa perto do local da explosão.

No que parecia ser uma manobra de propaganda orquestrada para reforçar as negativas do governo dos EUA de qualquer papel em um ato de guerra econômica que afetou os civis europeus, esta semana vários veículos relataram que, depois de receber uma denúncia de que a Ucrânia estava planejando tal movimento, a CIA alertou a Ucrânia contra executá-lo.

A perspectiva de um ataque russo à infraestrutura de comunicações ocidental – em retaliação ao que provavelmente foi um ataque conduzido pelo Ocidente ou incentivado pelo Ocidente a um gasoduto russo – é o mais recente lembrete de que todos nós estamos constantemente em risco de sermos vítimas de guerras que nosso governo provoca com total desrespeito pelas consequências.