A obra lírica de Adair de Freitas

0
876

Em 29 de novembro de 2018, a Academia Santanense de Letras condecorou com um “pergaminho” de HONRA AO MÉRITO um dos maiores nomes da cultura gaúcha. Com repertório de 188 músicas catalogadas para ser ouvida em qualquer hora na internet. O ilustre homenageado ADAIR DE FREITAS disse no agradecimento que tocava para sustentar sua família e não para enriquecer. Fazendo um discurso luminoso de agradecimento, ao concluir recitou um Poema, para logo em seguida pegar o violão e brindar aos presentes com a canção CANTADOR, com a qual venceu o mais recente Festival Nativista.

Adair de Freitas nasceu em São Gabriel, em 29 de julho de 1946, veio para Livramento com 3 anos de idade. É cidadão santanense há 40 anos por decreto da Câmara de Vereadores.
Com 400 discos e mais participações e cantores que já gravaram suas músicas, como João de Almeida Neto, João Luíz Corrêa, Wilson Paim, Gaúcho da Fronteira e Os mateadores. Começou a cantar com 8 anos e a compor aos 15 anos. As músicas que mais tocaram foram: Previsão, Meu canto e De já hoje. Todas são de um lirismo maravilhoso.

A Academia Santanense de Letras sabe quando um rosto endurece pela vida. E quando queremos preparar o caminho para a amizade, não pudemos ser, nós mesmos bons amigos, sem podermos reconhecer o valor de um homem, seja por sua obra, seja por sua vida. Que penses em nós Adair, com a lembrança de que és amado neste pago, pelo o que tu nos fizestes melhores neste mundo por nossa cultura, inclusive PARA CANTAR A VIDA, como nesta tua bela letra, e até aos que virão depois de nós!

*Viver não é somente o que vivemos / Ou simplesmente ser o que hoje somos / Viver é ir além dos cromossomos / E desafiar o gen donde nascemos.
*Viver é navegar nas incertezas / Amar nas tempestades e bonanças / E mais que pescador das águas mansas / Ser louco a desafiar as correntezas.
*Viver é começar a transição / Consciente de que a vida tem após / Estar nos que partiram antes de nós / Pra ser os que depois de nós virão.
*Viver é repartir sua presença / Saber que há Deus em nós desde os primórdios /E que o oposto do amor não é o ódio / E sim a dor cruel da indiferença.
*Viver é fazer parte do contexto /Do mundo, a luz e o ser a cada dia /E ser feliz sem ter a hipocrisia / De dar o amor carnal como pretexto.
*Viver é andar na trilha conquistada /E ainda aventurar-se nos atalhos / Ser força de raiz, estar nos galhos / E, mais que caminhante, ser estrada.

Na foto: Adair de Freitas com o pergaminho, o Secretário da Cultura e confrades da ASL.