Ministério da Saúde reforça ajuda aos estados e municípios

0
344
Desde que o coronavírus chegou ao Brasil, o Ministério da Saúde tem atuado de forma incansável para combater a doença e evitar que a população sofra as consequências dessa pandemia.

Desde que o coronavírus chegou ao Brasil, o Ministério da Saúde tem atuado de forma incansável para combater a doença e evitar que a população sofra as consequências dessa pandemia. Dito isso, medidas de prevenção e tratamento têm sido realizadas por todo país. E para exemplificar melhor essas ações, o ministro da Saúde, Nelson Teich, participou de videoconferência com senadores, nessa quarta-feira (29), quando abordou as principais estratégias desenvolvidas pelo Governo Federal para apoiar os estados e municípios. De acordo com o ministro Nelson Teich, foi feita uma distribuição de recursos do governo para que todas as regiões do Brasil pudessem reestruturar suas redes de saúde.

“No total, já foram pagos R$2,5 bilhões de Emendas Parlamentares para todos os estados. E até a primeira semana de maio a gente vai ter a liberação de mais um bilhão de reais para auxiliar nesse trabalho contra a Covid-19. Os recursos repassados pelo Governo Federal vão ser de R$4,5 bilhões de reais”.

Sobre a distribuição de respiradores, que são os equipamentos usados no tratamento de pacientes graves com dificuldade para respirar, o ministro informou que o Governo Federal enfrenta o desafio na disponibilidade.

“A parte dos respiradores hoje é crítica. A gente tem um problema que não é do Brasil, é um problema mundial. Hoje estamos contando a indústria nacional com uma proposta de entrega de 14.100 respiradores e isso será feito de uma forma faseada. Nesse espaço de tempo é importante a gente tentar evitar o crescimento explosivo da doença para que consigamos ir tratando a população. Isso porque os recursos são menores do que gostaríamos que fosse, precisamos ajustar o sistema para cuidar das pessoas e ter um número menor de mortes”.

Durante a audiência pública no Senado, o ministro da Saúde também falou sobre o isolamento social, o uso de tecnologias no combate à doença, como a telemedicina, evolução da transmissão e notificação dos casos.