Balada para um Pistoleiro

0
317
Anuncie aqui (Article top) Acesse a loja virtual do Magazine Curitibalegal, e compre por menos.

Assistindo pelo youtube ao filme Balada para um Pistoleiro, um filme antigo da década de 50, para minha surpresa vi desfilarem diante de meus olhos cenas de uma história que eu já conhecia e que me fora contada pelo meu saudoso amigo, Sr. Sirineu Rocha, pai da poetisa e escritora Marli Rocha Flores, quando eu tinha 11 ou 12 anos de idade.

A história do filme é a de dois irmãos que haviam se separado quando meninos, tendo um deles se transformado em xerife de uma pequena cidade e o outro num pistoleiro caçador de recompensas.

Sem saberem que eram irmãos, um dia se encontram num bar e enfrentam juntos uma quadrilha de foras-da-lei, da qual um dos integrantes, que é baleado, estava foragido e procurado vivo ou morto.

O mais jovem destes dois forasteiros, ao cobrar a recompensa pela captura do facínora, propõe dividir o dinheiro com o outro, mas este não aceita, dizendo que não era um caçador de recompensas e vai embora.

Seguem-se alguns episódios em que os dois voltam a se encontrar, sempre em situações de conflito, e tornam a se separar seguindo cada um o seu rumo.

Até que um dia são obrigados pelas circunstâncias a irem juntos na perseguição de alguns bandidos. O mais velho percebe que o outro leva pendurado ao pescoço por uma corrente um pequeno revólver de ouro e lhe pergunta como o obteve.

O jovem diz que o revólver lhe fora dado por seu pai, que era um velho delegado federal, e que também havia dado um revólver igual ao seu irmão mais velho, o qual não conhecia, mas sabia que era xerife aposentado de uma pequena cidade na fronteira americana com o México.

Depois de enfrentarem os bandoleiros e os entregarem à polícia, o irmão mais velho se identifica, mostrando o outro revólver de ouro que também carrega consigo, e diz que lamenta que o seu irmão caçula tenha se transformado num caçador de recompensas e lhe explica que mais cedo ou mais tarde irá encontrar alguém que o mate, pois esse é o destino de todo o pistoleiro, que sempre encontrará outro que o supere, mais ágil, mais inteligente e mais rápido no gatilho.

A história deste filme, sempre atual, serve para ilustrar a nossa realidade humana, política e comportamental.