Concessão de rodovias do Paraná devem melhorar capacidade de escoamento da produção

0
137
Movimento Estrada - Safra - Curitiba, 24/07/2019 - Foto: Geraldo Bubniak/ANPr

Benefícios incluem redução das tarifas de pedágio, além de atrair empresas e gerar emprego e renda para o estado

Projeto de concessão das rodovias do Paraná foi apresentado pelo Ministério da Infraestrutura, em reunião com empresários de diversos setores produtivos e líderes políticos. A proposta envolve mais de 3,3 mil quilômetros de pistas, divididos em seis lotes, entre estradas federais e estaduais. O investimento é de R$ 42 bilhões – maior que o orçamento federal para obras de duplicação. O leilão está previsto para este ano.

Com a melhoria das estradas e na capacidade de escoamento da produção, o estado do Paraná se tornará mais competitivo, atraindo empresas e gerando emprego e renda para a população. Segundo o gerente de Assuntos Estratégicos da Federação das Indústrias do Paraná (FIEP), João Arthur Mohr, o novo projeto vai gerar o desenvolvimento econômico do estado como um todo, neutralizando as diferenças entre os municípios.

João Arthur Mohr, gerente de Assuntos Estratégicos da FIEP.

“Se nós temos uma região que tem uma rodovia com baixa capacidade de tráfego, com baixo nível de manutenção – onde caminhões e veículos de passeio correm o risco de gastar horas adicionais ou de ter problemas mecânicos – aquela região tem mais dificuldade de capitar novos investimentos, ou ampliação de empresas já instaladas.”

O diretor de operações do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná, Alexandre Fernandes, detalha as principais mudanças com o projeto de concessão das rodovias, como o aumento da malha administrada dos atuais 2.495 km para 3.327 km; o aumento do prazo do contrato de 24 para 30 anos; o ciclo de ampliação através das obras de melhoria, que vai se concentrar entre o terceiro e nono ano e o número de praças de pedágio, que passará de 27 para 42 praças. Ele também elenca as melhorias para as estradas do Paraná.

Alexandre Fernandes, diretor de operações do DER.

“Entre as melhorias a gente tem aproximadamente 1.700 quilômetros de duplicação, 253 quilômetros de faixas adicionais e nove contornos urbanos.”

Segundo o DER, a expectativa é reduzir as tarifas de pedágio entre 25 e 67% para veículos leves e de 15 a 63% para veículos comerciais. 

Ainda de acordo com o gerente da FIEP, João Arthur Mohr, a federação circulou por mais de quatro mil quilômetros de rodovias do Paraná, mapeando as intervenções necessárias, como duplicação, trevos em nível e desnível, iluminação, terceira faixa, faixas adicionais onde já é duplicado, contornos de cidades, entre outras melhorias que embasaram o projeto de concessão.

Reportagem, Paloma Custódio