O tênis e o turismo

0
304

Tempos atrás o tênis não era no Brasil uma modalidade esportiva que atraísse uma grande quantidade de público às quadras. O tênis sempre foi considerado um esporte de elite e assim era tratado aqui. Tinha os seus métodos comportamentais que afastavam as pessoas que ainda não conheciam as suas regras. Há muitos anos passados, não se admitia que alguém pudesse assistir a uma partida das arquibancadas, se não estivesse com o vestuário na cor branca. O silêncio deveria ser seguido à risca, no máximo um discreto aplauso para uma brilhante jogada.

O tênis passou a se popularizar com o surgimento de Maria Esther Bueno (1939-2018) uma tenista brasileira com o maior número de conquistas, pois ela foi a primeira tenista não norte-americana a conquistar os torneios de Wimbledon em 1959, 1960 e 1964 e o US Open nos anos de 1959, 1963, 1964 e 1966. No naipe masculino é inesquecível a dupla formada por Edison Mandarino e Thomaz Koch que se notabilizaram quando ganharam a medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos em 1967 em Winnipeg, no Canadá.

O que se dizer do extrovertido Gustavo Küerten, o Guga, que surgiu nas quadras brasileiras e europeias, se apresentando com fardamentos coloridos e diferenciados literalmente da cabeça aos pés. Enfim, trajava-se de uma maneira que o público cativo do esporte não estava acostumado a presenciar. Foi tricampeão do Roland Garros (Paris) em 1997, 2000 e 2001e no Masters Cup de Lisboa no ano de 2000, quando foi o primeiro do ranking da ATP.

A partir da atuação do catarinense os canais brasileiros de TV perceberam que não era apenas o futebol que atraia a audiência. Com a transmissão dos jogos, as pessoas passaram a entender as regras desta modalidade, interessando-as a se deslocarem até as quadras para torcerem pelos seus favoritos. Atualmente, há sites na Internet e canais de TV por assinatura que transmitem os jogos mais em evidência em qualquer país como acontece na Copa Davis e dos demais torneios internacionais em tempo real, ponto a ponto.

Comprar raquete para o filho começar a aprendizagem em uma escolinha, já não é coisa apenas de família abastada ou emergente, agora é a prática que naturalmente o filho pede ao pai e este o atende.

O esporte tem destas coisas, quem diria que o vôlei, o tênis, o basquete, o atletismo, a ginástica olímpica e até mesmo a equitação fossem capazes de mobilizar as pessoas, arrastando-as de suas comodidades, para levá-las até outras cidades ou estados atrás de seus ídolos.

Está provado que o esporte, no mundo todo, é o principal gerador de fluxos turísticos especializados, ou seja, o deslocamento de pessoas ou grupos com objetivos determinados.
Não é por outra razão que os países se preparam, educam o seu povo e investem bilhões de dólares para criar as condições necessárias para sediar uma Olimpíada ou uma Copa do Mundo de Futebol. Todos já sabem que o retorno do dinheiro investido, assim como a publicidade gratuita que se fará ao redor do mundo em favor do país sede compensa toda a forma de despesa ou investimento que se faça.